Qual chão aguenta o meu descanso?


*english bellow

Acredito que para falar sobre o descanso, é necessário pontuar que


existe uma memória de baleia em meu corpo. As baleias descansam apenas um dos hemisférios do cérebro por vez, pois ficam em alerta para respirar e fugir de predadores. Em especial, as baleias-cachalotes, que mergulham em profundidade, viram a cabeça pra cima e dormem na vertical, assim elas vão subindo devagar em direção à superfície. E existem momentos em que as baleias esquecem que são animais adaptados à vida aquática, por isso, encalham em terra firme. O seu corpo é tão pesado que comprime os próprios órgãos. As baleias só se movem, porque a água sustenta o seu peso.


Qual chão aguenta o meu descanso? Como transformar o descanso de um corpo pesado em não-morte? Como descansar se me sinto sempre em guerra? Sinceramente, eu não sei e nem tenho a intenção de responder essas perguntas, mas elas me provocam e me ajudam a encontrar possibilidades. É como perceber que o descanso não é somente uma linha reta na horizontal, ele também pode existir na vertical, em espirais, em zigue-zague...


Às vezes me vem a imagem do meu corpo flutuando. E enquanto ele é sustentado pelo ar, os pesos vão caindo, despencam do céu como uma chuva muito forte, capaz de criar crateras muito profundas.


E esses pesos não são meus,

os pesos que me ferem não são meus,

o peso do mundo não é meu.


Descanso para transtornar o que me destrói


Escrevo descansado,

descanso a palavra.

Descanso junto com outras gentes que também desejam descansar.

Descanso dentro e fora de mim.

E enquanto eu descanso,

o amor me atravessa.



What floor supports my rest?


I believe that talking about the rest, it’s necessary to make a point about the existence of a whale memory in my body. The whales rest only in one hemisphere of the brain at once so that they can be alert to breathe and escape from the predators. Specially sperm whales, which dive in the deep, turn their heads up and sleep vertically, so they go up slowly towards the surface. And there are moments the whales forget they are adapted aquatic life animals, that’s why they stuck onto the shore. Their body is so heavy that compress their own organs. The whales can move only because the water holds their weight.


What floor supports my rest? How to transform the rest of a heavy body into a non-dying? How to take some rest if I feel myself constantly in war? Honestly, I don’t know, and I don’t even have intentions of answering these questions, though they instigate me and help me to find possibilities. It’s like realizing the rest not as only a straight horizontal line, it also may exist on vertical, in spirals, in zigzag…


Sometimes the image of my body floating comes to me. And while it’s sustained by the air, the weights start falling down from heaven like a storm, capable of creating very deep craters.

And these weights aren’t mine,

the weights that hurt me aren’t mine,

the weight of the world is not mine.


I rest to upset what destroys me


I write rested,

I rest the word.

I rest joined to other folks that also wish to rest.

I rest inside and outside of me.

And while I rest,

love goes through myself.