O vídeo performance ‘Eu, Baleia’ é o registro do reencontro sagrado entre criança, mulher e Oceano, onde a artista realiza uma dança ritualística e seduz o mar, orquestrando o movimento das ondas com a coreografia de suas mãos. A dança sacramenta o encontro, a entrega e o reconhecimento de serem um. O canto é o reconhecimento e afirmação de sua própria voz no mundo. E o retorno se dá com a constatação de que carrega em si esse “impulso inesgotável de vida”. [Texto: Malu Aguilar]
Eu, Baleia, 2018
Vídeo 3'59"
Concepção, direção e edição: Camila Fontenele
Direção de fotografia: Malu Aguiar
Orientação: Allan Yzumizawa

Processo para a vídeo performance: Eu, Baleia
Rio de Janeiro | 2018

.

Chego no mar,
ele recua.
Deito na areia,
ele recua.
Eu entro no mar,
ele recua.

Fico sem saber,
se isso é caso, descaso ou mágoa.
Então eu choro,
e ele parece viver dentro de mim.

Como uma pessoa líquida
faz para viver na terra?
Sem ser ilha,
sem ser barco,
sem ser baleia?